Uma poética da tradução

Baudelaire num dia de sol invernal em Montpellier

Minha primeira leitura de Poe em idade adulta deve ter sido The Man of the Crowd, durante meus anos na faculdade de Jornalismo. Lemos o conto em português mas, assim que saímos da aula, fui correndo para a biblioteca procurar algum livro com a sua versão original. Li o texto inteirinho e, insatisfeita, passei para os contos subsequentes. Nenhum deles trazia nova informação sobre o tal homem da multidão. E essa frustração foi o que provocou minha paixão por Poe. Ao lado de ETA Hoffmann — autor alemão que, como EA Poe(t), traz iniciais curiosas — foi o que de melhor absorvi do curso.

Poe era o autor completo, que apresentava o extraordinário com imaginação, inteligência e um curioso domínio da língua inglesa. Em 2009, um amigo, diretor de cinema e teatro, me convidou para adaptar um texto de Poe para o cinema, The Mystery of Marie Rogêt. Disse que sim na mesma hora e demos início a um estudo que combinava cinema e a muito particular literatura poesca. O projeto ainda não foi finalizado mas ler, de cabo a rabo, todos os textos em prosa e verso de Poe foi uma das experiências literárias mais ricas de minha vida. Memorizei, talvez de maneira imperfeita, uma das coisas que ele dizia. Que queria escrever algo que pudesse ser lido em uma única sentada — poesia.

Pois bem. Na França comecei a estudar Baudelaire. Mais precisamente no dia 18 de janeiro de 2011, um dia de sol espetacular em pleno inverno mediterrâneo, deitada sobre a grama em frente ao Córum, com uma edição barata da Livre de Poche. E foi ali que entendi Baudelaire como tradutor de Poe e, como nossa professora bem nos explicou depois, foi ali que compreendi que Baudelaire, (em parte) responsável pelo prestígio do escritor americano em solo francês, havia criado obras literárias inteiramente novas a partir dos textos de Poe, construindo uma poética muito própria da tradução. Nos absorvemos tanto no estudo de Fleurs du Mal, que nunca cheguei a ler as traduções de Baudelaire reunidas em Histoires Extraordinaires. E só agora, mais de um ano depois, o assunto volta à tona.

Um amigo me emprestou O Corvo e suas Traduções, livro organizado por Ivo Barroso que reúne uma série de traduções do poema mais famoso de Poe, The Raven, em francês e português. Baudelaire, o pioneiro, traduziu o texto em prosa poética, ou poesia em prosa, como insistia uma antiga professora de Português. O Baudelaire que conheci no IEFE, na Université Montpellier 3, era um poeta que valorizava muito a forma, sem deixar de prestigiar o conteúdo e a música. Seus poemas eram pílulas artísticas perfeitas, e passávamos horas a fio tentando desvendar (e contar) as sílabas, as rimas, o tema. Por que não traduziria Poe respeitando a forma, até agora não sei responder — e pretendo investigar o assunto mais a fundo (e ler, com cuidado, a tradução em verso feita em 1998 por Didier de Lamaison), mas agora o que quero mesmo é transcrever a primeira estrofe — do original e de Baudelaire (os links levam aos textos na íntegra).

THE RAVEN

Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of someone gently rapping, rapping at my chamber door.
“‘Tis some visitor,” I muttered, “tapping at my chamber door
Only this and nothing more

LE CORBEAU

« Une fois, sur le minuit lugubre, pendant que je méditais, faible et fatigué, sur maint précieux et curieux volume d’une doctrine oubliée, pendant que je donnais de la tête, presque assoupi, soudain il se fit un tapotement, comme de quelqu’un frappant doucement, frappant à la porte de ma chambre. « C’est quelque visiteur, — murmurai-je, — qui frappe à la porte de ma chambre ; ce n’est que cela, et rien de plus. »

2 ideias sobre “Uma poética da tradução

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s