Londres, Roma e um livro misterioso

Hampton Court, em Londres. Foto publicada na Wikipedia

Ontem à noite terminei de ler o livro misterioso e inédito, enviado por um amigo escritor. Definitivamente, o livro mais estranho e mais estranhamente bonito que já li. Um romance curto, de menos de 200 páginas, na categoria ficção/fantasia. Consegui transferi-lo para o Kindle e fui lendo-o ansiosamente nos últimos dias, sem saber direito como reagir a ele. Apaixonei-me imediatamente por alguns personagens, outros, detestei apaixonadamente. Gostei do oceano — sim, o livro tem um oceano — e do menino, livresco, tímido, fantasioso, que tem muito de mim quando era mais nova.

Lembrei de minha infância obtusa mas fantástica e, como disse ao escritor por e-mail, foi como sair de um sonho de outra pessoa, e lembrar de tudo perfeitamente. Tomara que seja lançado logo, aí escrevo aqui de novo, mencionando mais detalhes da história. Já se tornou meu livro preferido desse escritor, o que mais “conversa” comigo. E é impossível parar de lê-lo, por isso interrompi a leitura (sofrida porém maravilhosa) de Rodrigué.

E já tem mais um livro na fila. Ontem conversei com minha vó longamente por telefone, em antecipação à viagem a Londres (e Europa) que faremos em Agosto. Ela sugeriu que eu lesse Sarum, de Edward Rutherfurd. Trata-se de uma obra de ficção histórica publicada em 1987 — bem recente — que fala sobre a história da Inglaterra através dos olhos de representantes de famílias de Salisburg. Como só fui descobrir ontem, o nome Sarum é uma corruptela de uma abreviação antigamente usada para Salisburg que acabou ficando pra história. Nem comecei a ler ainda, mas como foi recomendado por minha vó, só pode ser boa coisa.

Iremos também para Roma, por isso Le Voyage à Rome, do historiador Pierre Grimal, já se encontra na mesa de cabeceira. O livro foi publicado recentemente — não consigo encontrá-lo em nenhuma lista de obras do autor — mas Grimal é um dos mais respeitados especialistas em Roma Antiga. Comprei o livro em Montpellier, pensando numa futura oportunidade de viagem, mas nunca o li. Fui a Roma em 2008 e lá fiquei por mais de 15 dias, uma viagem maravilhosa que me permitiu conhecer cada pedacinho da cidade. Roma encontra-se do lado oposto de Londres. É colorida, ensolarada, quente em todos os sentidos. Já estou na contagem regressiva para a viagem.

Nota: Só chegando em casa para descobrir que Voyage à Rome abrigava todos os livros de Pierre Grimal sobre Roma: La Rome Antique, Vivre dans La Rome Antique, L’Âme Romaine, Promenades Romaines, Guide: Nous Partons pour Rome. Comecarei por este último.

2 ideias sobre “Londres, Roma e um livro misterioso

  1. Zuleika Bento Nunes

    Gostaria de lhe fazer uma pergunta, é porque eu também vou a Londres em agosto e gostaria de ler Sarum, mas em português. É possível ? Existe tradução ? Não encontrei nas livrarias.

    Resposta
    1. literaturaestrangeira Autor do post

      Oi Zuleika, tudo bem?
      Procurei em vários sites e não consegui encontrar 😦
      Você não gostaria mesmo de ler em inglês? Há várias versões ebook disponíveis em inglês.
      Me avise se eu puder ajudar de outra forma.
      Abs

      Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s