A Vida de Adèle (e a nossa também)

Cena do filme la Vie d'Adèle ou Azul é a Cor Mais Quente

Cena do filme la Vie d’Adèle ou Azul é a Cor Mais Quente com a linda Adèle Exarchopoulos

Há alguns dias fomos ver La Vie d’Adèle ou Azul é a Cor Mais Quente, novo filme de Abdellatif Kechiche que concorre ao Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro. Merecia mesmo era ganhar o de Melhor Filme.

Fiquei com vontade de ver desde que li a bela e contraditória resenha de Anthony Lane publicada na New Yorker há quase dois meses. Leio a revista há anos, e Anthony Lane há mais tempo ainda (há mais ou menos dez anos, publicaram um livro reunindo várias de suas críticas) e ele nunca tinha ficado daquele jeito. Não entendi, tampouco compreendi sobre o que era mesmo o filme (paixão entre duas meninas, uma delas com o cabelo azul?), mas logo depois dos créditos iniciais, tudo mudou de figura. Azul tem duração de três horas, isso mesmo, como os épicos de Hollywood ou aquelas obras bem cabeça. E muitas cenas são de Adèle respirando — dá pra sentir a sua inspiração da cadeira da sala e só isso já é inquietante — ou comendo a macarronada do pai, que depois ela mesma aprende a preparar (ela falou em entrevistas que o diretor ficou fascinado com o jeito de comer dela, então pode esperar várias cenas de comida).

Também tem muito sexo. Sexo visceral inscrito na intimidade real de duas pessoas apaixonadas. O tempo incomoda. Penso em Rope, de Hitchcock e numa reportagem brilhante e científica sobre o tempo no cinema, publicada numa edição especial da Scientific American. Embora alguns anos estejam compressos nessas três horas (que agora parecem tão curtas), nós os vivemos de forma fluida, como uma narrativa sem fim.

Adèle é o personagem mais bonito do cinema desde Tadzio em Morte em Veneza, de Visconti. Logo que vi o filme, fui buscar na Internet a obra em que teria se baseado e tive uma leve decepção: trata-se uma história em quadrinhos quase, que pode ser comprada aqui na Amazon.fr. Na obra original, o enredo parece mesmo girar em torno do amor adolescente e homossexual entre a menina de cabelo azul e a outra, que apenas começou a se descobrir. Mas no filme é algo maior. O que, exatamente? Se eu precisasse descrever em algumas palavras, diria que é sobre o amor, sobre a transição entre a adolescência e a vida adulta, sobre a comida, sobre os motivos por que estamos aqui. Ou então que é sobre a vida de Adèle, que não deixa de ser, também, a nossa vida. A personagem do livro se chama Clementine. Acho que o diretor mudou o nome propositadamente, já que a atriz também se chama Adèle, e que muito dela transbordou para a tela. Como nas obras de arte de verdade, porque o cinema de Kechiche é mesmo diferente de tudo o que já vimos, eu e… Anthony Lane.

3 ideias sobre “A Vida de Adèle (e a nossa também)

  1. taniagan@aol.com

    Oi Jennie, Adoramos o filme. Jean ficou tão entusiasmado que convidou o filho e a neta e foi com eles ver outra vez, na semana seguinte. Ele vai gostar muito de discutir o filme com você e Tomas, e eu também, claro. As duas atrizes são MARAVILHOSAS, mas Adèle é o amor encarnado. Mandamos beijos e estamos super contentes porque vamos nos encontrar bientôt. Muito Axé, tia Tania

    Resposta
    1. literaturaestrangeira Autor do post

      Tia Tania querida:
      As duas atrizes são maravilhosas, mas Adèle é mesmo o amor encarnado. Diga a Jean que Tomás e eu também adoramos o filme e o tipo de cinema (e de tempo) de Kechiche. Nem acredito que daqui a pouco nos veremos! Vcs querem alguma coisa de São Paulo? Beijos enormes

      Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s